Universidade corporativa no setor aéreo

Com a chegada da tecnologia em todas as áreas do mundo corporativo conjugado com a preocupação em manter as equipes de trabalho treinadas para realizarem com eficácia as tarefas do dia a dia, alcançarem metas e propiciar uma nova experiência aos clientes da empresa. Para tanto, as organizações já investem e passarão a investir cada vez mais na Universidade Corporativa

Infelizmente muitos empresários ainda enxergam o treinamento e o aperfeiçoamento como despesas e não como investimento e isso é mais comum do que se pode imaginar.

De acordo com a Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), o investimento em capacitação no Brasil é baixo.

Vale lembrar, que as empresas investem em média insuficientes 20 horas em treinamentos de colaboradores por ano, percentual este, inferior aos dos países desenvolvidos. Nos Estados Unidos, por exemplo, os colaboradores são treinados em média 34 horas por ano.

É percebível que os investimentos em capacitação de colaboradores estão mais presentes no setor industrial seguidos pelo setor de serviços. Já o setor comercial o investimento é ínfimo e notoriamente percebível através dos equívocos constantes presenciados no varejo, tais como consultores de vendas mal preparados, atendimento telefônico ruim e central de atendimento ao cliente que nada resolve além da falta de cordialidade é claro.

Ainda temos o agravante com a adoção das empresas e as áreas de recursos Humanos que contratam cursos e treinamentos de prateleiras, os chamados cursos prontos que são genéricos e frustram a expectativa dos participantes em relação ao aprendizado.

Para resolver esta problemática, surgem as universidades corporativas que nada tem haver com cursos de graduação ou pós-graduação necessariamente.

 As universidades tradicionais oferecem cursos de aperfeiçoamento profissional, graduação e pós-graduação, todos regulados pelo Ministério da Educação (MEC). Além disso, dão um grau de formação ao concluinte — bacharel em administração, por exemplo.

Por outro lado, os cursos disponíveis na UC são de qualificação profissional, ou seja, são livres e não dependem de uma aprovação prévia do MEC. O certificado é apenas de participação, logo, não gera nenhum grau de formação ao profissional que o obtém.

Lembrando que a propagação dos treinamentos corporativos tem um grande aliado que também, vem crescendo e se tornando presente no nosso dia a dia que é o ensino em plataformas virtuais ou ainda dizendo, os cursos à distância.

A importância da UC está na sua grandeza de ser uma instituição de ensino que pertença à organização, que tenha o DNA do negócio e que seja controlada internamente. Assim, a UC tem um vínculo muito mais forte e evidente com a empresa.

No setor aéreo, não é diferente, pois a  empresa estatal criada em 12 de dezembro de 1972, com início de suas atividades em 31 de maio de 1973, responsável pela administração dos principais aeroportos do país e que vem passando pelo processo de privatização de seus aeroportos está atenta para a capacitação de seus colaboradores assim como da comunidade ligado ao setor.

Com o foco no aperfeiçoamento contínuo e principalmente na segurança das operações aeroportuárias através de uma sinergia de esforços que contempla o cumprimento dos diversos tratados internacionais e legislação brasileira do setor, a estatal oferece o seu modelo de capacitação.

Os cursos tem carga horária que vão de 4horas a 40 horas. Com instrutores altamente capacitados e envolvidos nos processos do setor e isso contribui em muito e decisivamente para a eficiência e eficácia de toda a cadeia setorial.

O Curso para Elaboração de Planos e Programas, tem por exemplo, o objetivo de capacitar os profissionais dos aeroportos na elaboração de planos e programas de resposta às crise de emergência aeroportuários decorrentes de acidentes aeronáuticos, da pratica de atos ilícitos contra a aviação civil e, a critério do operador do aeroporto, de outras situações relacionadas à infraestrutura aeroportuária, de forma a garantir que o aeroporto possa continuar operando dentro dos padrões mínimos de segurança requeridos ou possa retornara a sua normalidade operacional o menor tempo possível.

Após o curso, espera-se que o colaborador seja apto na Elaboração de Planos e Programas: PSA, PCINC e PLEM – CEPP, ou seja, elaborar corretamente os Planos relacionados às atividades de Segurança Aeroportuária.

O curso de Especialização de Bombeiros de Aeródromos, oferece aos profissionais em seu escopo, a possibilidade do aperfeiçoamento nos tratos operacionais de Prevenção, Salvamento e Combate a Incêndio em aeródromos os conhecimentos gerais e específicos necessários à condução e operação eficiente e eficaz dos sistemas de combate a incêndio dos carros contra incêndio de aeródromo. Já o curso Básico em segurança da Aviação Civil Internacional, tem o intuito de capacitar profissionais para desempenhar atividades relacionadas a proteção da Aviação Civil contra atos de Interferência Ilícita.

Como podemos perceber, é indubitável a necessidade do aprimoramento de pessoas que já se encontram no mercado de trabalho com o intuito de melhor efetivamente produtos e serviços e também a vida das pessoas.

É um caminho sem volta, cada vez mais vamos estar correndo atrás do aperfeiçoamento tão necessário atividades empresariais. Gestor inteligente investe em capacitação e também se capacita para não ficar pra trás.

Luiz Claudio da Silva é educador corporativo, professor de ensino superior e especialista em capacitação empresarial, profissional de Logística, RH e Gestão da Qualidade e especialista em Transporte Aéreo de Cargas Internacionais. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *