Álvaro Campelo vai denunciar fake news sobre CPI dos combustíveis à Delegacia de Crimes Interativos

O deputado estadual Álvaro Campelo (Progressistas) vai buscar a Delegacia de Crimes Interativos para tratar sobre as fake news que continuam a ser espalhadas de forma criminosa sobre a CPI dos combustíveis da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam).

Ao contrário do que vem sendo divulgado de forma leviana nas redes sociais, a CPI não foi engavetada, mas sim concluída e, ainda, apontou para a formação de cartel. Depois da conclusão, Álvaro Campelo foi pessoalmente até a Polícia Federal e ao Ministério Público entregar o relatório e pedir providências nas apurações.

“Estou tomando as providências necessárias junto à Delegacia de Crimes Interativos para descobrir a quadrilha virtual que está por trás desses ataques. Tenho certeza de que os responsáveis serão identificados. Esse tipo de crime tem que ter punição exemplar

Relembre – No dia 30 de janeiro deste ano, o deputado esteve na sede da Polícia Federal (PF) em reunião com o Superintendente do órgão no Amazonas, Delegado Alexandre Saraiva, para tratar dos aumentos abusivos dos combustíveis que vêm acontecendo em todo o Estado.

Além de entregar o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito, que aponta indícios de “colusão entre os postos de combustíveis”, ou seja, formação de cartel, também foram entregues outros documentos, como uma notícia-crime de formação de cartel, que o deputado apresentou em julho de 2016 ao Ministério Público Federal, em conjunto com a Defensoria Pública do Estado e a OAB-AM.

Compondo os documentos protocolizados, consta, ainda, o pedido de investigação sobre a existência de cartel, feito em 2018 na PF, por meio da Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM), da qual o parlamentar faz parte, por ser advogado.

Em julho de 2019, Álvaro Campelo, também protocolou uma Ação Civil Pública, no TJ/AM, juntamente com outros órgãos, pedindo o repasse aos consumidores das reduções anunciadas, à época, pela Petrobras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *