Jornalista tem suas redes sociais bloqueada por denunciar preços abusivo de gasolina em Manaus

Em um grupo do WhatsApp a jornalista expressou sua indignação. Virou moda no Amazonas, jornalistas serem perseguido e tirarem o direito da livre expressão. Os poderosos, políticos tem feito de tudo para calar a voz do povo. 

Um outro fato marcante sobre essa questão de censura foi o caso do repórter fotográfico Sandro Pereira que teve seus dados e imagens apagados na última rebelião que aconteceu em Manaus, no Unidade Prisional do Puraquequara, no dia 02 de maio de 2020.

Erika sobre dos ataques através do seu Web designer, que lhe informou em áudio que o portal havia sido derrubado e teria sido invadido por hackers. As publicações do portal A Repórter do dia 15 teriam sido todas removidas. 

Vale ressaltar que o jornalista tem o poder de informar e levar notícias em lugares mais distantes e remotos. 
Não podemos aceitar esse tipo de manipulação com os profissionais, precisamos arrancar de nossos lábios a amordaça que os poderosos tentam implementar no dia a dia dos profissionais. 

Fonte: Blitz Amazônico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *